Medir a criatividade: sparks - uma inovação na avaliação online

A inovação é o factor mais importante para a obtenção de vantagem competitiva - seja por intermédio de melhorias nos processos de negócio, de aperfeiçoamentos nos produtos/serviços ou da penetração em novos mercados. Porém, inovar exige criatividade e capacidade para colocar ideias em prática.

Ao longo dos anos os nossos clientes têm procurado identificar e medir criatividade e inovação - de forma fiável, válida e efectiva. Mais: os nossos clientes pretendem identificar o potencial para inovar, no início do processo de selecção, e desejam fazê-lo online.

Até agora, isso não era possível. Porém, com base em avanços tecnológicos e no campo da AI (Artificial Intelligence), criámos um teste online – o sparks – que avalia a criatividade de modo válido, fiável e objectivo.

Características do teste online sparks:

  • O teste sparks fornece resultados baseados numa norma padronizada de criatividade que é objectiva, fiável e válida.
  • O teste sparks pode ser realizado online, tem a duração de 15 minutos, e os resultados são obtidos de imediato.
  • O teste sparks é uma ferramenta que, tanto pode ser usada em processos de selecção inicial, como em processos de desenvolvimento de equipas já constituídas.
  • O teste sparks fornece conhecimento sobre inovação. O Sparks integra a Bateria de/a Matriz de avaliação de  Inovação cut-e, que compreende ainda o teste de personalidade (shapes) e o teste de raciocínio abstracto e lógico (scales lst). Este cluster de ferramentas desenvolvidas pela cut-e identifica e mede potencial para a inovação.

Avaliar criatividade online: entrevista sobre o teste sparks

Dr. Achim Preuss, Diretor de Produto e co-fundador da cut-e, e sua equipa trabalharam no desenvolvimento do sparks ao longo de  vários anos, procurando responder à procura dos clientes com base nos recentes avanços tecnológicos. Nesta entrevista, o Dr. Achim Preuss fala-nos do questionário sparks,  das pesquisas e dos testes que o precederam e que sustentaram o seu desenvolvimento.

A Matriz de Avaliação de Inovação cut-e

O teste sparks integra a Matriz de Avaliação de Inovação cut-e que consiste na conjugação de vários testes, visando fornecer elementos acerca do potencial de inovação individual. 

A Matriz de Avaliação de Inovação inclui:

O novo Assessment cut-e recorre ao Google para ajudar a identificar indivíduos criativos

A inovação é um factor crítico para o sucesso do negócio de muitas organizações. Porém, saber o quão criativo e inovador é um indivíduo pode ser difícil.

Cartões de Boas Festas com o sparks

Todos os anos fazemos um calendário do Advento com desejos de Boas Festas para todos os cantos do Globo. No calendário do Advento em 2015 a equipa cut-e de Espanha utilizou o teste sparks para enviar os votos de Boas Festas online.

Leituras de Referência

Hardt, J., Felfe, J. & Hermann, D. (2011). Innovationskompetenz: Entwicklung eines neuen Konstrukts durch eine explorative Studie. Zeitschrift für Arbeitswissenschaft, 3, 235-243.

Hülsheger, U. R., Salgado, J. F., & Anderson, N. (2009). Team-Level Predictors of Innovation at Work. Journal of Applied Psychology, 94, 1128-1145.

Jäger, A. O., Süß, H.-M., & Beauducel, A. (1997). Berliner Intelligenzstruktur - Test. Form 4. In Sarges, W. & Wottawa, H. (Hrsg.). Handbuch wirtschaftspsychologischer Testverfahren (pp. 95-101). Lengerich: Pabst Science Publishers.

Kim, K. H. (2006). Can We Trust Creativity Tests? A Review of the Torrance Tests of Creative Thinking (TTCT). Creativity Research Journal, 18(1), 3-14..

Koestler, A. (1964). The Act of Creation. Penguin Books, New York.

Maier, G. W., Streicher, B., Jonas, E., & Frey, D. (2007). Innovation und Kreativität. In D. Frey & L. von Rosenstiel (Hrsg.), Enzyklopädie der Psychologie: Wirtschaftspsychologie (pp. 809-855). Stuttgart: Hogrefe.

Mumford, M. D. (2003). Where have we been, where are we going? Taking stock in creativity research. Creativity Research Journal, 15, 107–120.

Ridley, M. (2010). TEDTalk: www.ted.com/talks/matt_ridley_when_ideas_have_sex

Shalley, C. E. & Gilson, L. L. (2004). What leaders need to know: A review of social and contextual factors that can foster or hinder creativity. The Leadership Quarterly, 15, 33-53.

Schuler, H. & Görlich, Y. (2007). Kreativität: Ursachen, Messung, Förderung und Umsetzung in Innovation. Göttingen: Hogrefe.

Schuler, H. & Hell, B. (2005). Analyse des Schlussfolgernden und Kreativen Denkens. Bern: Huber.

Scott, S. G.; Bruce, R. A. (1994). Determinants of innovative behavior: a path model of individual innovation in the workplace. Academy of Management Journal, 37(3), 80-607.

Snyder, A.W. (2011). Facilitate Insight by Non-Invasive Brain Stimulation. PLoS ONE 6(2): e16655.  doi:10.1371/journal.pone.0016655

Soosay, C. A. (2005). An Empirical Study of Individual Competencies in Distribution Centres to Enable Continuous Innovation. Creativity and Innovation Management, 14, 299-310.

Streicher, B., Maier, G.W., Frey, D., Jonas, E. & Kerschreiter, R. (2006). Innovation. In H.-W. Bierhoff & D. Frey (Hrsg.), Handbuch der Sozialpsychologie und Kommunikations-psychologie (pp. 565-574). Göttingen: Hogrefe.

Torrance, E. P. (1974). Torrance Tests of Creative Thinking. Scholastic Testing Service, Inc.

Torrance, E. P. (1981). Empirical validation of criterion-referenced indicators of creative ability through a longitudinal study. Creative Child and Adult Quarterly, 6, 136-140.

Turner, M. (2014). The Origin of Ideas: Blending, Creativity, and the Human Spark. Oxford University Press.

West, M. A. & Farr, J. L. (1990). Innovation and Creativity at Work. West Sussex, England: John Wiley & Sons.

Assessment Product Finder

Pesquise entre mais de 40 testes psicométricos pelo teste mais adequado ao que pretende.
Search by
Topic
Instrument