A motivação dos colaboradores - um factor crítico para o sucesso das organizações

A selecção ajustada dos colaboradores, tendo em conta os valores da organização e sua estrutura de motivação, constitui um dos desafios do processo de recrutamento. No entanto, a motivação dos colaboradores também é importante no desenvolvimento das organizações. A análise de motivação constitui um ponto de partida, para melhorar a performance e desenvolver as competências dos colaboradores. Isto é particularmente relevante em situações em que o colaborador age de forma espontânea ou subconsciente, bem como quando se verifica uma forte correlação entre as funções profissionais e os valores pessoais do indivíduo.

O questionário views ajuda-o a identificar, de modo eficiente e fiável, a motivação e os valores de colaboradores e candidatos. 

Opinião do cliente

"Estamos muito felizes por ter encontrado a cut-e como o nosso novo fornecedor e parceiro para nossos projectos de feedback na Vodafone."Pia Simionescu, Vodafone

views - valores, motivações e interesses

Os valores pessoais são vistos como um dos melhores indicadores do potencial de carreira a longo prazo e do valor acrescentado de uma pessoa, além do normal papel que lhe é atribuído pela organização.


Oviews é um sistema adaptativo de questionários que abrange os valores individuais relativos ao trabalho, motivações e interesses.

O views utiliza a tecnologia de medição adaptativa adalloc™ desenvolvida pela cut-e. Esta tecnologia permite criar um perfil altamente sofisticado dos valores pessoais, a partir de um questionário muito breve.

Com a sua técnica de medição única, o views é a ferramenta ideal para orientação vocacional, coaching e desenvolvimento da sua equipa.

Síntese: princípios de interpretação do questionário views

A validade preditiva do sistema de valores de um indivíduo é particularmente elevada quando esse mesmo sistema é altamente activado e/ou quando a pessoa reconhece a existência de uma ligação entre os seus valores pessoais e as opções ou actividades ao seu dispor ou sempre que o indivíduo age espontânea e subconscientemente.

Os princípios subjacentes à interpretação do questionárioviews são:

  • A motivação é  um dos factores, que a par de outros (personalidade, conhecimentos, habilidades cognitivas, saúde, condições situacionais), concorre para a previsão de competências e do sucesso no trabalho
  • Os questionários de motivação apresentam uma validade bastante elevada no que concerne à previsão da performance no trabalho
  • Os resultados dos questionários de motivação são uma fonte de informação, sustentando e complementando conclusões obtidas através da combinação de diversos métodos de avaliação
  • Os questionários de motivação são um método eficiente e válido para avaliar a motivação, os valores e interesses individuais
  • Motivação, valores e interesses permitem distinguir diferenças entre indivíduos
  • A disparidade entre os resultados do questionário Views, derivadas quer da auto-descrição quer do contexto ocupacional em que a pessoa se encontra, devem ser devidamente exploradas – pois isso pode indicar que o candidato tem que questionar o seu percurso profissional ou que ele/ela estão sob stress.
  • Geralmente recomenda-se que os resultados sejam validados durante o feedback

Pergunte ao especialista: Lealdade é o mesmo que integridade?

Lealdade e integridade são conceitos diferenciados, não podem ser utilizados como sinónimos.

A lealdade está relacionada com a fidelidade ou a devoção a uma pessoa, país, grupo ou causa. Por seu turno, o conceito de integridade comporta a consistência no campo das acções, dos valores, dos métodos, das medidas, dos princípios, das expectativas e dos resultados, sendo tipicamente associada à honestidade e à veracidade.

É possível que um indivíduo revele um nível de integridade reduzido, mas seja leal – ou, pelo contrário, uma pessoa pode ser desleal mas integra. Consideremos os seguintes exemplos: a obediência cega, decorrente de sentimentos de lealdade, pode motivar comportamentos questionáveis. Em contrapartida, se alguém percepcionar determinada forma de tratamento como injusta, a sua integridade pode levar a pessoa a agir com deslealdade relativamente a uma organização ou instituição.

Sabia que? O Assessment Barometer mostra que:

  • Os valores pessoais têm vindo a tornar-se mais relevantes, pois cerca de 46% dos entrevistados usam questionários de valores
  • O Assessment combinado está a aumentar

Leituras de Referência

Ashton, M. C. (1996). Personality and job performance: the importance of narrow traits. Journal of Organizational Behavior, 19, 289-303.

Baron, H. (1996). Strength and Limitations of Ipsative Measurements. Journal of Occupational and Organisational Psychology, 69, 49-56.

Barrick, M. R. & Mount, M. K. (1991). The Big Five personality dimensions and job performance: A meta-analysis. Personnel Psychology, 44, 1-25.

Bartram, D. (1996). The relationship between ipsatized and normative measures of personality. Journal of Occupational and Organizational Psychology, 69, 25-39.

Bartram, D. (2007). Increasing validity with forced-choice criterion measurement formats. International Journal of Selection and Assessment, 15, 263–272.

Brown, A. & Maydeu-Olivares, A. (2012). Fitting a Thurstonian IRT model to forced-choice data using Mplus. Behavior Research Methods, 44, 1135-1147.

De Vries, A., de Vries, R. & Born, M. P. (2010). Broad versus narrow traits: Conscientiousness and honesty-humility as predictors of academic criteria. European Journal of Personality, 25, 336-348.

Dudley, N. M., Orvis, K. A., Lebiecki, J. E. & Cortina, J. M. (2006). A meta-analytic investigation of conscientiousness in the prediction of job performance: Examining the inter-correlations and the incremental validity of narrow traits. Journal of Applied Psychology, 91, 40-57.

Griffith, R. L., Chmielowski, T. & Yoshita, Y. (2007). Do applicants fake? An examination of the frequency of applicant faking behavior. Personnel Review, 36, 341-357.

Heggestad, E. D., Morrison, M., Reeve C. L. & McCloy, R. A. (2006). Forced-Choice Assessments of Personality for Selection: Evaluating Issues of Normative Assessment and Faking Resistance. Journal of Applied Psychology, 91, 9-24.

Hicks, L. E. (1970). Some properties of ipsative, normative and forced choice normative measures. Psychological Bulletin, 74, 167-184.

Justenhoven, R. T. (2014). Adaptive allocation of consent – Innovative Itemformate zur Messung von Persönlichkeit. Unveröffentlichte Masterarbeit. Hamburg: Hochschule Fresenius.

Kurz, R., Bartram, D. & Baron, H. (2004). Assessing potential and performance at work: The Great Eight competencies. Proceedings of the British Psychological Society, 4, 91-95.

Lohff, A. & Wehrmaker, M. (2008). AdallocTM – adaptive scales for online questionnaires. In W. Sarges & D. Scheffer (Hrsg.), Innovative Ansätze für die Eignungsdiagnostik (S. 239-251). Göttingen: Hogrefe.

Salgado, J. F. (2003). Predicting job performance using FFM and non-FFM personality measures. Journal of Occupational and Organizational Psychology, 76, 323-346.

Saville, P. & Willson, E. (1991). The reliability and validity of normative and ipsative approaches in the measurement of personality. Journal of Occupational Psychology, 64, 219-238.

Schmidt, F. L., & Hunter, J. E. (1998). The validity and utility of selection methods in personnel psychology: Practical and theoretical implications of 85 years of research findings. Psychological Bulletin, 124, 262-274.

Sitser, T., van der Linden, D. & Born, M. P. (2013). Predicting Sales Performance with Personality Measures: the Use of the General Factor of Personality, the Big Five and Narrow Traits. Human Performance, 26, 126-149.

Assessment Product Finder

Pesquise entre mais de 40 testes psicométricos pelo teste mais adequado ao que pretende.
Search by
Topic
Instrument